Mais uma vitória, mais três pontos!

Novo jogo, nova vitória. Não tão folgada, não tão bem conseguida, mas o que é certo é que é uma vitória, e conquistámos mais três pontos, mantendo-nos, portanto, a 10 do segundo classificado.
Importante referir que jogámos sem João Moutinho, Fernando, Falcao e Maicon, todos eles habituais titulares, e ainda sem Varela, que saiu cedo, lesionado.
Estreia positiva, a de Walter a titular. A conseguir marcar o seu primeiro golo enquanto titular, e que bonito golo! O jogo foi todo ele dominado pela nossa equipa, mas apenas aos 90+1' conseguimos aumentar a vantagem, através de Hulk, na conversão de uma grande penalidade.

Segue-se a visita a Alvalade, após paragem para o amigável da Selecção Nacional frente à Espanha.

5 comentários:

ultrafcporto disse...

Caros portistas,
Sem dúvida que tivemos algumas dificuldades, mas acho que o FCP deu a volta a todas elas, e quando teve as oportunidades soube aproveita-las e facturou mais 3 pontos objectivo cumprido, venha o próximo.
Cumprimentos,
Ultrasfcportomatosinhos

r.m.silva da costa disse...

Acho perfeita a síntese que faz do jogo de hoje. Jogar q.b. para merecer o amealhar os três pontos em disputa e não dar motivos para a moralização do adversário directo.
Valter, tem estilo próprio e potencialidades muito boas que darão muito jeito em situações às quais as suas características se ajustem. Também acha o golo que obteve foi um gesto lindo e intencional.

Antes, ainda temos a Taça em Moreira de Cónegos e, seguiremos, então, apara Alvalade já bem refeitos de desgastes e emoções vividas até agora, para iniciar o segundo terço com mais uma vitória!

Um abraço e boa noite.

dragao vila pouca disse...

Demasiada descompressão.

É natural e compreensível que depois de uma vitória tão retumbante e tão categórica como a de domingo passado, haja tendência para descomprimir, baixar o tom, pensar que o mais difícil já foi conseguido e não é necessário manter a mesma atitude, o mesmo espírito e a mesma concentração como contra o Benfica. Compreendo isso muito bem e ia mentalizado que esta noite não seria de Ópera, mas também não ia à espera de tanto cinzentismo, de uma música tão desafinada. Quando num domingo à noite, contra um adversário pouco apelativo, com todo o respeito pelo Portimonense e com um tempo chuvoso e frio, se tem 40.418 espectadores no Estádio, não se deve baixar tanto o nível exibicional, passar de 80 para 8. Com isso "mata-se" o entusiasmo, desmobiliza-se os adeptos, perde-se o estado de graça. As alterações, que foram várias, servem como atenuantes, mas não explicam tudo. O problema que afectou esta noite a equipa do F.C.Porto foi um mal que, pensava eu, estava definitivamente ultrapassado e dera lugar à imagem de marca do Dragão de Villas-Boas: um colectivo forte que potencia as individualidades. Hoje as individualidades quiseram fazer tudo sozinhas, marcar golos de qualquer maneira, até do meio-campo e assim, nem brilhou o colectivo nem brilharam as individualidades. Ganhamos, mantivemos a distância e isso é fundamental, é o que importa, dirão alguns. Pois, mas para mim isso não chega, é possível juntar o útil ao agradável e hoje foi como um regresso ao passado recente. No passado noites como esta eram a regra, espero que com Villas-Boas, sejam a excepção.

Um abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Ontem tivemos uma exibição menos conseguida.

O nosso meio campo, com Ruben e Belluschi não funciona. São dois atletas que não se complementam e que por vezes parecem algo confusos na ocupação dos espaços.

Varela teve problemas musculares, e não estava ao seu melhor nível, acabando por ser substituído.

Hulk ontem esteve algo apagado, pois também não teve um meio campo que o servisse, para criar desequilíbrios vindo de trás.

Alvaro e Fucile tentaram lançar o ataque, mas principalmente Alvaro longe do fulgor dos últimos jogos.

Villas-Boas numa altura que o Portimonense estava a ganhar o meio-campo, soube ler bem o jogo e colocou e campo os aguerridos Castro e Ukra e reequilibraram o jogo.

Nota negativa para o jogador Jumisse que teve duas entradas muito perigosas, e que deveria ter sido expulso.

Estiveram melhor neste jogo Helton, Otamendi, Guarin e Walter.

Walter acabou por também sair desgastado fisicamente.

Nota positiva para o público que numa noite fria, acorreu ao Dragão em grande número ... mas nota negativa para os assobios, que intranquilizam a equipa, há que ter calma, pois nem sempre vamos realizar jogos brilhantes como aquele contra o Benfica.

Abraço

Paulo

http://pronunciadodragao.blogspot.com/

Dragaopentacampeao disse...

Foi realmente uma exibição muito apagada, aquela que os atletas portistas ofereceram à boa assistência presente (mais de 40.000 é obra!), para assistir a um jogo contra um dos últimos classificados.

Villas-Boas, apesar das suas claras mensagens para o grupo de trabalho, não conseguiu evitar um relativo relaxamento, que a vantagem pontual, sempre provoca no espírito da equipa.

Ainda que as ausências de peso fossem consideráveis, a categoria dos jogadores utilizados exigia outra performance.

Destaques positivos:

O belo golo de Walter;
A manutenção dos dez pontos de vantagem;
O 11º golo de Hulk em 11 jogos do campeonato;
A décima vitória em 11 jornadas;
O 28º jogo consecutivo sem experimentar o amargo sabor da derrota.

Viva o FC Porto!

Um abraço