Triplete na Taça de Portugal


Que jogo. Acima de tudo, que primeira parte. Dos quarenta e cinco minutos mais empolgantes a que já assisti num jogo de futebol, com sete(!) golos marcados. 
Problemas e falhas defensivas à parte, o momento chave do jogo é - como diz André Villas Boas e eu concordo perfeitamente - o penalty defendido por Beto e, na sequência da jogada, o contra-ataque que nos permite passar de um hipotético 4-3 para 5-2.
James Rodríguez foi sem dúvida um dos melhores em campo, muito pelos três golos que marcou mas também pela grande assistência para Varela, mas Beto e Hulk também merecem um grande destaque no jogo.

Conseguimos assim a terceira Traça de Portugal consecutiva, chegando à marca história - que nunca ninguém havia alcançado - de 69 títulos oficiais no futebol.

Foi o culminar de uma época magnífica, que começou com a conquista da Supertaça e continuou com os festejos do campeonato e da Liga Europa, terminando com a festa no Jamor.

4 comentários:

r.m.silva da costa disse...

Por analogia com o Vinho do Porto da região demarcada duriense, este FC Porto é uma colheita "vintage". Foi tal o sucesso que os chineses bem poderiam alterar o seu calendário mítico e considerar 2011 como o verdadeiro Ano do Dragão.

E se o jovem André Villas-Boas mostra tanta competência, parece não fazer qualquer sentido dizer-se que esta é "uma geração rasca".

Confio em que num futuro breve mais vitórias iremos conquistar.

Ser Dragão é ser feliz.

penta1975 disse...

exactamente por me identificar com esse sentimento, e que me despeço sempre assim:

«este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»! ;)

saudações desportivas mas sempre pentacampeãs! ;)

Miguel | Tomo I

penta1975 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
penta1975 disse...

off-topic:

caríssimas(os),

faz hoje 24 anos que se escreveu, a ouro, uma página brilhante da nossa história.

ps:
sinto-me o "rei" desta caixa de comentários :)

«este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

saudações desportivas mas sempre pentacampeãs! ;)

Miguel | Tomo I